segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Medo

“Juniko” Brito e Kallebe Lima
(Baseado no conto Cadência, de Tracy Anne Duarte)

Sua respiração suave
Como uma contagem para o final dos tempos
A sensação que você tinha era ainda mais forte
Que tudo estava para se acabar
Isso é como se eu ganhasse uma dádiva
Por ter mais vitimas

Em algum lugar
Lá no fundo da minha mente
Eu me perguntava: “O que você está fazendo?”
Tentava entender o motivo para causar tanto sofrimento
Mas não parecia haver alguma resposta racional
Se é que havia algo racional em tudo aquilo

As lágrimas escorriam pelo seu rosto
Acompanhando o seu andar frenético e alucinado
A sensação aterrorizante de estar sendo seguida
Te fazia olhar para trás de três em três segundos
E eu sussurrava:
“Não chore... Prometo que levarei flores ao seu funeral”

Você corria desesperada
Pelos corredores infinitos daquele lugar
Entrando em outros lugares hostis
Mas eu continuava a te perseguir
Pelas paredes
Pelo chão
Pelo teto

Você tinha que me despistar
Você tinha que lutar contra o mal...
Que estava para acontecer

Por mais que teus passos fossem secos
Que tua respiração fosse lenta
Nada parecia cobrir sua passagem
Teu coração batia tão forte que eu escutava teus batimentos...
Como se fosse uma linda música de filme de terror
Era a prova de seu desespero
E de sua presença

Choros...
Foram ouvidos ao longo do caminho
O desespero se tornava quase latente
Impulsionando-se para o final daquele horrendo jogo...
Em que você era a caça.