quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Cidade de Pedra


Meus olhos se vêem as cinzas
A escuridão e a fumaça
Meu corpo sente a poluição
E todos sentem a desgraça

Alguns se preocupam mais com seus bolsos que sua saúde
O egoísmo destrói seus laços
Os iludem
E quanto mais o tempo passa
Mais a miragem aumenta

Eu não preciso de profecia
Eu não preciso de mais previsões
Só quero que sejam executadas as soluções

Perdido na cidade de pedra
Desiludido na cidade de pedra
Só sou mais um em queda
Tentando me confortar

Eu sou o ontem, o hoje e o amanhã
Eu sou a causa do ontem, do hoje e do amanhã
Eu sou mais um perdido precisando deitar em um divã
Eu sou a solução do ontem, hoje para o amanhã.

Tontos Inconstantes


Os dias passas rápido
Mas as horas devagar
Os segundos são inconstantes
Que me fazem respirar

O mundo não para
E estamos sempre tontos
Mas há sempre uma mão
Que nos guia pelos cantos

As minhas nuvens sempre estarão cinza
A minha tempestade sempre estará agitada
Mas a chuva nunca foi a mesma
Pois...

Os dias passam rápido
O mundo não para
Somos tontos inconstantes.