quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Virtualmente Apaixonado






Imagina como eu fico na frente do PC esperando você se conectar
Esperando aparecer ‘on’
Esperando um certo olá!

De repente o PC buga!
De repente a net cai!
Ai, Ai! Meu Deus, o que vai acontecer?

Estou aqui há horas!
O quê que vou fazer?
Vou baixar mais músicas pra ficar pensando em você!

Que nem a música da Liah...’Poesia e Paixão’...
Quem dera a ge
nte se transformasse em uma canção!
Queria tanto te ver agora
Olhar nos teus olhos
Sentir tua respiração
Sentir as batidas do teu coração
E dizer: “Estou aqui...
Para poesia e
paixão”





Dedicado para Jessy!;*

Sinto que tenho que te proteger



Sinto que tenho que ser seu guardião
Sinto que tenho que te dar proteção
Que tenho que me jogar no chão...
Pra você não pisar na lama
Estar do seu lado
Quando deitar na cama
Abraçar-te...
Quando fechar os olhos
Beijar-te...
Na testa quando estiver dormindo
E tentar fazer com que você sonhe...
Com que você sonhe comigo

Eu estava lá quando você começou a chorar
Eu estava lá pra te abraçar
Eu estava lá pra fazer você sorrir
Mas não quero estar pra ver você partir...
[Pois quero que fique perto de mim...]

Sinto que tenho que te proteger
Sinto que meus sentimentos você tem que compreender
Que tenho que poder...
Estar a ti abraçado quando for passar por uma rua escura
Estar do seu lado
Quando abrir seus olhos em candura
Abraçar-te...
Bem forte antes de levantar
Beijar-te...
E beijar muito, beijar até cansar.
Tentar fazer com que você esqueça os problemas
Com que você só pense em mim

Eu estou aqui pra você me ver chorar
Eu estou aqui pra você me abraçar
Eu estou aqui pra você me fazer sorrir
E quero que esteja pra desse mundo tentar fugir...
[Pois quero que sempre fique perto de mim...]

Sabe quando você não quer voltar só pra casa?
Quando não quer dormir e acordar só?
Quando não quer passar por ruas escuras e chorar sozinha?
Estou aqui pra te dar toda atenção minha!
Pra te proteger
Pra contigo voar, pular e correr.
Mergulhar contigo na chuva
E podermos ter prazer.
Aliás, tenho prazer em te proteger.

Estar do seu lado...
Quando acordar...
Pra ter certeza que acordará bem...

Soldados


Eles vêm caminhando
Por ruas de tristeza
Vem sem dor, sem pensar
Sem mostrar fraqueza

Eles obedecem
Eles não falham
Parece que não enfraquecem
Assim que lutam, assim que trabalham

Cheios de músculos e de suor
Agüentam pressão
Pressão psicológica
Fazem pressão
Em outros dos seus
Nesse mundo sem lógica

Mamãe! Não quero isso!
Mamãe! Não quero fazer isso!
Acho que não vou aguentar
Quero cantar
Quero fazer solos e gritar...agudos...sem parar
Gritar!


obs: aqui “soldados” representam os soldados mesmo, mas tentei colocar de uma forma que representam pra mim ,“Sem mostrar fraqueza”. Os soldados somos nós, pois parecemos máquinas, visto que temos que mostrar produção! Porém, não quero virar um soldado da sociedade.

Minhas caras estampadas


Chego em casa, chuto os sapatos e ligo o som
Música alta, rock pesado, arrumar problemas é o meu dom

Deitado, olho pela janela e vejo nuvens super carregadas
Olho pro meu quarto, pras camisas, pras bandas, pras cores e vejo nelas minhas caras estampadas

E começo a pensar...
Ninguém me entende, ninguém me vê, só vem a mim pra reclamar
É...
Só os amigos pra me entender!
Só meus amigos pra conversar!

E me vejo doente
E me pego tentado penetrar em sua mente
O que pensa de mim?
Sou tão normal quanto você!
Ou tão diferente...

Estou quebrado!
Entre o que não quero
E o meu remédio a meio metro
Mas não estou doente!
Sou tão diferente quanto qualquer adolescente

Não tenho ódio no coração
Mas não são só minhas espinhas que me deixam com raiva
É como você olha pra elas
É como você vê como são

Ouça! Estou gritando!
Atenção! Estou gritando!
Agora você me escuta?!
Agora você me vê?!
Não se assuste...
Eu sou assim

Viu minhas caras estampadas?
É...
Só os amigos pra entenderem a mim...

Perdido



A vista da janela
Já não é tão bela
Quanto antes
O pôr-do-sol
Vermelho sangue

Não é mais como antes

Da vontade de pular
Da vontade de gritar

Da vontade de cortar
O ultimo fio de vida que me resta


As nuvens escurecidas
Choram em meio a minha mente

Perdida
O frio em minha alma
A ausência de minha calma

Perdida

Da vontade de pular
Da vontade de gritar
Da vontade de cortar
O ultimo fio de vida que me resta


Os olhos avermelhados

Choram em meio a escuridão
Perdidos
O calor em meus pulsos
A impaciência muda meus cursos

Perdidos...

Lembre – se de mim

Quando tudo estiver seco, lembre-se das lágrimas que derramei por você.
Quando estiver triste, lembre-se das vezes que te fiz sorrir.
Quando estiver tudo escuro, lembre-se como meus olhos brilhavam ao te ver.
Quando pegar uma
rosa, se te machucar e se sangrar a tua mão, lembre-se que foi assim que deixou meu coração e quando ela cair no chão, veja que foi assim que me deixou...


Lágrimas de Anjo

Você caminha em minha direção
E me abraça forte
Você olha nos meus olhos
E me sinto sem suporte


E me torturo sem saber como
Aplicando em meus pulsos

Umas dose de insegurança

Mas olhos mudam os cursos

Não consigo ver sua aureola

Sinto cheiro de rosas doces queimadas

A fumaça preenche meu olhar

E a chuva molha as rosas negras quebradas

E a chuva vem com mais força
E me abraça com mais intensidade

E de novo vem aquela moça
Que acabei de desconhecer


E a cada gota uma lembrança

As lágrimas de sangue trazem insegurança


E vem em minha direção

E me abraça frágil
Olho em seus olhos


Não sinto bater seu coração

Encosto em sua face

Ela está tão quente quanto eu, está mais viva do que eu

Sinto minhas lágrimas de sangue escorrendo

Estou tão frio assim?

A certeza da solidão


E as gotas de chuva caem sobre mim como elefantes correndo
Eu corro pra horizonte, onde o mar encontra o céu, pra tentar te encontrar...  
O meu rio está secando e minhas lágrimas evaporam antes de cair na água
E fecho os olhos pra tentar nos meus sonhos te localizar  
O sol já não seca minhas gotas de sangue e nem ajuda a me esquentar  
As terras onde vivo agora, não têm a mesma lua e nem a mesma manhã  
Tento ser sombrio, mas a lembrança o teu riso me faz sorrir da minha cara de bobo  
Não sei se é solidão, se essa paixão está me corroendo, mas me sinto morrer, e como as geleiras...Vou derretendo  
Não consigo dormir, mas não quero abrir os olhos, não quero deixá-los vermelhos e nem fazê-los sofrer
Jogo-me na água, mas na consigo me afogar  
Jogo-me na água e o tempo parece não passar
Em um segundo, dias e noites emergido
Dias e noites me partindo, derretendo, evaporando  
A cada mergulho os pesadelos ficam mais longos, a cada pesadelo...
A certeza da solidão.